Coincidências de Uma Estação Qualquer


Descobri que a música que ficou pausada no meu computador
É a que você mais gosta.
E a foto que você logo posta
É a de um livro que acabei de ler.

Estou cansado de coincidências
Eu quero certezas, quero parar de mexer com a minha cabeça.
Pensa!
Ninguém nasceu pra ver um filme que não tem solução,
Sherlock Holmes não sobreviveria.
Indiana Jones não comeria.
Eu mesmo já estou gritando aos cantos do Mundo,
Assim não tem condição!

Quando vi seus cabelos azuis na estação de trem
Logo lembrei de uma história qualquer
Penso que estás triste, desapontada
Como um lápis que não consegue escrever direito
Imperfeito
Nessa estação de trem numa estação do ano que nada decide
Ou coincide
Com qualquer sentimento.



Oh Deus, será que me esqueceste?
Em algum lugar na tua criação, dias que deram sete
Talvez você tenha descansado sem saber que faltava escrever uma história pra mim
Ou só não tinha decidido o fim.
Porque se for assim,
Pai,
Estou logo procurando uma caneta com tinta.
Vou escrever por Ti, com toda a finta
De um jogador de futebol valendo milhões.

Enquanto isso ela está lá, ouvindo bordões
"O que é teu virá"
Mas ninguém sequer imagina,
Por coincidência pura
Que ela vive uma vida que ninguém mais atura.
Cansada de estar à beira da estrada,
Sentir-se pouco ou nada amada,
E relutantemente achar
Que está destinada
A algo comum, regular,
E mesmo com muito afinco,
Que a sua vida, de um a dez, sempre ficaria em cinco.

Então garota,
Eu preciso que, por coincidência,
Tu tomes as rédeas do teu caminho.
Sei que este ano tu só está boiando nesse mar
E isso não é demência, é sabedoria
Saber que esse dia chegaria
E que você me encontraria,
Nesse turbilhão
Que chamamos de dia a dia,
E que seria uma explosão
Só te olhar nos olhos.