BR-2112



Eu também não sei o porquê
Mas eu ando só, com a cabeça vazia, olhando para as nuvens, porém não diretamente para elas.
Olho além, para a lua invisível, encoberta pela luz do dia.
Nem as buzinas dos carros ao meu redor me tiram desse estado de transe,
Entretando, seus olhos tirariam.
Para mim tanto faz se estou no meio da rua ou por sobre as águas,
Eu não tiro o foco do horizonte nem por um minuto sequer.
Talvez seja assim que devíamos levar a vida.
Se eu tropeçar, eu sei que não vou cair.
Não paro por nada, e quaisquer obstáculos que se oponharão à minha caminhada serão trespassados.
Não digo que os espinhos que me arranharão as pernas não me machucarão,
Mas com certeza essas dores serão mais fáceis de aguentar se eu tiver um objetivo em mente.
Você.